Natação e Saltos Ornamentais: títulos inesquecíveis

abril 21, 2010 por  
Arquivado em: Notícias

Equipe de saltos ornamentais do Olímpico

Efetivamente os esportes aquáticos mais tradicionais em Santa Catarina como a natação, saltos ornamentais e o remo encontraram em Blumenau um grande respaldo. O remo, por exemplo, fez refletir diretamente o nome da cidade em termos nacionais e internacionais desde os primórdios das competições associativas, com o CN América e Ipiranga. 

Pelas dificuldades de instalações, a natação e os saltos ornamentais vieram muito tempo depois, em função da construção de piscinas adequadas no final da década de 50 e início dos anos 60. 

O primeiro reflexo já pôde ser notado nos Jogos Abertos de Santa Catarina em 1962, quando Blumenau conseguiu a primeira colocação no masculino e o segundo no feminino, de natação, seguido de perto por Joinville, Florianópolis, Joaçaba e Brusque. 

Até 1973 a natação e os saltos ornamentais eram duas modalidades ainda não praticadas no Grêmio Esportivo Olímpico, mesmo porque não existia uma piscina, que seria então inaugurada pelo presidente Ralf Kaestner, junto à antiga entrada do Estádio da Baixada. 

Dirigiam a equipe o vice-presidente Egon Belz e Carl Heinz Rothbarth. A obra seria um passo importante para firmar-se a partir de então convênios com a FURB, CME e DED-MEC que viabilizaram ao clube a absorção de alunos dos estabelecimentos de ensino, cuja maior parte já representava Blumenau nas competições a nível estadual a partir de 1966. 

Contando com um relativo prestígio a nível nacional nas competições amadoras, graças a campanhas de patrocínio de atletas, o clube passou a dedicar boa parte de seus recursos na manutenção de equipes de natação e saltos ornamentais, e durante sua existência trouxe para a galeria de honra do Olímpico inúmeros troféus e medalhas. Esses atletas que representaram o clube eram oriundos principalmente do Colégio Pedro II, tendo à frente o técnico professor Valter Pereira dos Passos. 

No princípio foram selecionados alunos cujo potencial corresponderia às técnicas de preparação, e posteriormente esses passariam por um período básico de treinamentos. Como a grande parte já possuía uma experiência em competições mais arrojadas não foi muito difícil para o técnico o aprimoramento do grupo, que no primeiro ano de equipe já fazia frente a clubes tradicionais da capital e de outras cidades catarinenses. 

Luiz Orlando Sestrem

Nos saltos ornamentais o Olímpico dominou completamente a nível estadual, obtendo todos os títulos durante sua existência. A equipe grená de saltos ornamentais era formada pelos atletas Horst, Rolf e Ingrid Roessel, Fernando e Cristina Pfau, Carlos Antônio Soares e Luiz Orlando Sestrem, esse último várias vezes recordista catarinense adulto e brasileiro estudantil, tanto pelo Olímpico como pela CME. 

Nos Jogos Abertos de 1974 a 1979, enquanto ainda a equipe pertencia ao Grêmio Esportivo Olímpico, foram conquistados cinco títulos tanto no masculino como no feminino. 

Na natação a situação era diferente, mantendo Florianópolis a frente, sempre representada por atletas do Lira e Clube Doze, sua principal concorrente nos dois naipes. Nesta modalidade o Olímpico tinha como seus principais destaques Angélica Frank, Nilson Costa, Liane Koffke, Jaime de Bem Filho, Davi Krambeck, Carlos Augusto Vieira, Amadeu Ferrari, Jackson e Denise Rothbarth e Marilena e Sandra Busarello, onde foi quatro vezes campeã e duas vezes vice no feminino e uma vez primeiro e quatro vezes segundos lugares no masculino.

Equipe bi-campeã estadual de natação

O clube foi grande sensação em 1976 e 1977 quando levantou o bi-campeonato estadual, em etapas realizadas em Blumenau, Florianópolis, Joinville e Jaraguá do Sul, bemora só havia sido formada em pouco mais de três anos. 

Mas como tudo que é bom tem sua história reduzida, as equipes dos esportes aquáticos do Grêmio Esportivo Olímpico não sobreviveram à crise financeira, geral em todo país, no período final da década de 70. Não houve mais apoio das entidades. Clube, CME e prefeitura entraram em desacordo e consequentemente o convênio não renovado.

Os comentários estão fechados.